terça-feira, 24 de novembro de 2015

CGADB APROVA NOVO CASAMENTO DE PASTOR DIVORCIADO

--AS Duas maiores convenções das Assembleias de Deus no Brasil , conamad e cgadb , decidiram a mesma coisa,  e agora ?

Praticamente desde a fundação das Assembleias de Deus no Brasil era proibido divórcio e novo casamento para líderes, os quais ficavam impedidos de continuar exercendo o ministério pastoral. Mas a Convenção Geral deu um jeitinho, para não destituir da função vários ministros que se divorciaram e continuam à frente de “suas” igrejas. 
A decisão divide opiniões entre os fiéis e causa muita insatisfação principalmente entre os membros mais antigos da denominação. Isso porque presenciaram no passado tratamento extremamente rigoroso em relação aos divorciados, os quais eram praticamente forçados a procurar outras igrejas para congregar. Mas a Assembleia de Deus mudou muito na última década... 
A decisão estabelece que o divórcio para ministros do Evangelho, membros da CGADB, somente poderá ocorrer em caso de infidelidade conjugal, devidamente comprovada. Nesse caso, fica autorizado a contrair novas núpcias. O fundamento bíblico utilizado é Mateus 5.31-32 e 19.9.Ainda conforme I Coríntios 7.15, na hipótese de o divórcio ser de iniciativa da esposa, o ministro poderá permanecer ou não na função ministerial, conforme decisão da Convenção Estadual da qual é filiado. Nos casos em que o Ministro der causa ao divórcio, a sua permanência ou retorno ao ministério dependerá também de exame e decisão da Convenção Estadual.
Em qualquer das hipóteses acima, fica assegurada ao ministro a ampla defesa e o direito de interpor recurso para a Mesa Diretora e para o plenário da Convenção Geral. Nada se fala quanto ao divorciado que lidera Convenção. Será que o alto clero não precisa comprovar nada?  
A questão é saber como serão enfrentados os argumentos que a própria denominação utilizou para combater o divórcio para os líderes e membros. Como serão reinterpretados textos bíblicos como estes: "Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem." (Mateus 19.6 e Marcos 10.9); "Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível,marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar." (I Timóteo 3.2); "Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e governem bem a seus filhos e suas próprias casas." (I Timóteo 3.12); "Aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes." (Tito 1.6). A palavra está com a Convenção...
Confira na íntegra: 
RESOLUÇÃO DO PLENÁRIO DA CGADB Nº 001/2011
Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, no uso de suas atribuições e de conformidade com o disposto no art. 3º, III, IV c/c o art. 8º, I, do Estatuto Social;
Considerando a existência de Ministros, membros da CGADB, em situação de Divorcio;
Considerando a necessidade dessa Convenção Geral em traçar normas que regulamentem a situação ministerial dos seus membros, no sentido de preservar e manter os princípios morais e espirituais que embasam a doutrina das Assembleias de Deus no Brasil;
Considerando que é dever dessa CGADB zelar pela observância da doutrina bíblica e dos bons costumes dos membros das Assembleias de Deus, em todo território nacional, sem prejuízo da atuação das respectivas Convenções Estaduais;
RESOLVE:
Art. 1º A CGADB só reconhece o Divórcio no âmbito ministerial de seus membros, nos casos de infidelidade conjugal, previstos na Bíblia sagrada e expressos em Mt. 5:31-32; 19:9, devidamente comprovados.
Art. 2º. As Convenções Estaduais deverão esgotar todos os esforços possíveis no sentido de promover a reconciliação do Ministro e sua esposa, antes de serem ajuizadas Ações de Divórcio.
Art. 3º. Esta CGADB não reconhece, no âmbito da vida ministerial de seus membros, a situação de União Estável.
Art. 4º. O Ministro, membro desta CGADB, divorciado nos termos do disposto no art. 1º. desta Resolução ou no caso, onde a iniciativa do divórcio partir da sua esposa (1 Co 7: 15), poderá permanecer ou não, na função ministerial, decisão essa, que ficará a cargo da Convenção Estadual da qual é filiado, facultando-se-lhe o direito de recurso para Mesa Diretora e para o para o Plenário desta Convenção Geral.
Parágrafo 1º.O Ministro, vítima de infidelidade conjugal por parte de sua esposa, poderá contrair novas núpcias, respeitados os princípios bíblicos que norteiam a união conjugal, nos termos da permissibilidade concedida por Cristo, em Mateus 5. 31 e 32; 19. 9, ficando cada caso a ser examinado e decidido pelas Convenções Estaduais.
Parágrafo 2º. Quando o Ministro der causa ao divórcio, a sua permanência ou retorno ao ministério dependerá de exame e decisão da Convenção Estadual, facultando-se-lhe ampla defesa, sendo-lhe também assegurado recurso para a Mesa Diretora e para o plenário da Convenção Geral.
Art. 5º. O Ministro, membro desta CGADB que acolher Ministro divorciado sem a observância do disposto na presente Resolução, será responsabilizado disciplinarmente, no âmbito desta Convenção Geral.
Art. 6º. Ficam os Presidentes de Convenções e demais membros desta CGADB autorizados a divulgar entre a membresia das Igrejas Evangélicas Assembléias de Deus em todo o território nacional, o inteiro teor desta Resolução.
Art. 7º. Esta Resolução entrará em vigor na data da sua publicação no “Mensageiro da Paz”, órgão oficial de publicação dos atos desta Convenção Geral.
Art. 8º.Revogam-se a resolução 001/95, de 29 de Janeiro de 1995 e demais disposição em contrário.
Plenário da 40ª Assembleia Geral Ordinária da CGADB em Cuiabá(MT), 13 de abril de 2011.

fonte; Blog do Adiel Teófilo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado por sua visita ao blog

Equipe de Transição para a prefeitura de Tauá.

1º NATAL CRIANÇA FELIZ com 300 crianças .

Projeto Operação Resgate , promove evento em dezembro pra 300 crianças carentes dos bairros de Tauá. Será dia 18/12 de 2016 na Rua Jo...